quinta-feira, julho 21, 2005

As imagens da salina


Há vários milhares de anos caíram aqui as célebres janelas do palácio do Céu. Ficaram intactas as vidraças nos respectivos caixilhos porque as janelas caíram sobre a relva verdinha. Hoje são as salinas.” [1]

Imagem típica de salinas; [Aveiro]; Fot. de Christophe Renault

Os talhos, as comportas, os canais, as serras de sal e os tabuleiros brancos formados pelos cristalizadores são elementos que, no seu conjunto, dão às salinas uma imagem singular. A juntar às técnicas por meio das quais os espaços onde são instaladas salinas são intervencionados, estão as características naturais próprias dos locais onde se desenvolve a salinicultura. Trata-se de uma segunda natureza que é criada pela salinicultura a partir de uma nova organização do espaço com vista ao seu aproveitamento/rentabilização.

O que se destaca na paisagem própria das zonas de exploração de sal em marinhas é a forma como os elementos terra, água, sol e sal são agrupados. Este tabuleiro de sucessivas quadrículas, separadas por estreitos caminhos de terra, e os canais de água de aparência labiríntica que o rodeiam, são referências imagéticas da indústria salineira e aquilo que estrutura a sua paisagem.


[1] Citação de Almada Negreiros, in Circulo de Estudos Das Salinas de Aveiro – Janelas Caídas do Céu – 1997, Aveiro; p.4.